top of page

Portfolio da Felicidade



Uma das questões fundamentais no campo da ciência da felicidade é "Como maximizar a felicidade a longo prazo".


Apesar de ser uma ciência recente, a ciência da felicidade trouxe nas últimas duas décadas evidências científicas robustas sobre o que pode tornar as pessoas mais felizes e até mesmo viver mais. Existem diferentes modelos acadêmicos, como o PERMA (emoção-engajamento-relacionamento-significado-realização) de Martin Seligman e o SPIRE de Tal Ben Shahar (Espiritual - Físico - Intelectual - Relacionamentos - Emocional), mas todos eles giram em torno dos mesmos elementos de felicidade a longo prazo: Relacionamentos, trabalho gratificante e significativo, espiritualidade e bem-estar mental e físico. Vamos cobrir cada um rapidamente.


Relacionamentos - Os seres humanos são espécies ultra-sociais, e nossa estreita rede de apoio social é o fator mais crítico para a felicidade a longo prazo, especialmente na velhice. Humanos com relacionamentos bons e fortes vivem vidas melhores e mais longas. A solidão aumenta o estresse e reduz a capacidade humana de lidar e superar emoções negativas. Estudos mostraram que estar sozinho na velhice tem o efeito na saúde equivalente a fumar 15 cigarros por dia.


Trabalho - O trabalho é onde a maioria de nós passa a maior parte de nossas horas de vigília. O trabalho pode ser uma fonte de alegria e realização ou uma fonte de estresse e dor. O trabalho pode fornecer um senso de propósito, realização e auto-estima. Os japoneses não fazem distinção entre "profissão/ocupação" e "propósito de vida". No Japão, sua profissão é seu propósito de vida ("Ikigai"). A felicidade no trabalho requer propósito, engajamento (fluxo) e autonomia. O trabalho realizador precisa de um elemento de realização (intrinsecamente motivado, não extrinsecamente) e de um bem maior (beneficiar os outros).


Espiritualidade - A espiritualidade provou ser um importante impulsionador da felicidade. A prática religiosa cria comunidade e relacionamentos mais fortes. A espiritualidade pode se manifestar através da religião, mas também em nosso relacionamento com algo maior que nós mesmos (natureza, alma). Estudos mostraram que viver perto da natureza ou se exercitar na natureza melhora a felicidade, a saúde e a expectativa de vida.


Bem-estar mental e físico - O equilíbrio entre emoções positivas e negativas e nossa capacidade de lidar com sentimentos negativos impactam nossa felicidade. A prática de Mindfulness, Gratidão, bondade, compaixão e reconciliação são todos mecanismos comprovados para melhorar a satisfação. Evitar vícios "ruins" como álcool, sexo, drogas e mídias sociais desencadeados pelos mecanismos de recompensa do nosso cérebro que prejudicam relacionamentos, trabalho e saúde também é um componente fundamental. "Mens sana in corpore sano". Há também amplas provas de que a atividade física e a nutrição afetam significativamente nosso bem-estar.


O cientista social Arthur Brooks compara esses componentes da felicidade aos "ativos" que você precisa combinar para criar um portfólio saudável que "maximize" sua felicidade a longo prazo. Devemos abordar nossas vidas como abordamos o planejamento financeiro. A pergunta crítica é: "Onde devo investir e como maximizar o valor do meu portfólio ao longo do tempo?".


Algumas pessoas adotam "estilos de vida" que maximizam o prazer a curto prazo e se inclinam para um ou outro elemento de uma vida bem vivida. Embora isso possa maximizar o prazer a curto prazo, sub-otimiza o bem-estar a longo prazo. Um "portfólio de felicidade" bem equilibrado nos permitirá ser seres completos e viver uma vida boa ao longo do tempo.


"Workaholics" podem priorizar o trabalho em detrimento dos relacionamentos, saúde mental e física e espiritualidade. Em estágios posteriores da vida, quando o "trabalho" se torna menos importante, eles percebem que não têm amigos, tem laços familiares fracos, problemas de saúde e nenhuma fé e, às vezes, ficam perdidos, isolados e deprimidos. Dinheiro e Felicidade têm uma correlação linear positiva, mas apenas até cerca de US$ 75 mil por ano, em média, nos EUA. Acima desse nível, ganhos financeiros à custa de relacionamentos, realização no trabalho e espiritualidade terão um impacto negativo significativo no bem-estar, especialmente mais tarde na vida.


Às vezes, "atletas" (profissionais e amadores) priorizam a saúde física e suas conquistas "atléticas" em detrimento de relacionamentos, saúde mental e diversão. Não é surpresa a atual pandemia de saúde mental que vemos entre os atletas em todo o mundo. A autoestima e a realização são elementos essenciais no portfólio de felicidade. Ainda assim, como uma carreira atlética termina entre os 30 e os 40 anos, ela não pode vir à custa do que será importante depois que a carreira esportiva terminar. A transição do "vício do sucesso" (presumo que seja um atleta de sucesso) nos esportes para um propósito de vida inteiramente novo é complicado. Ainda assim, pode ser ainda mais complexo se as sementes da felicidade a longo prazo não forem plantadas desde o início.


Indo para o outro lado da equação, algumas pessoas decidem se dedicar inteiramente à família – por exemplo, a dedicação das mães em tempo integral aos filhos. Embora o compromisso total com a família possa ser um dos caminhos mais altruístas, gentis e nobres que uma pessoa pode decidir tomar, se não for administrado corretamente pode resultar em uma problemática síndrome do "ninho vazio". O luto, a solidão e a depressão predominam quando as crianças saem de casa se o pai ou a mãe não investiu no relacionamento com seu cônjuge ou amigos (a "rede de apoio social"), manteve uma ocupação satisfatória ou não dedicou tempo suficiente para sua saúde mental e física. Novamente, a vida é sobre (algum) equilíbrio.


Claro, nosso tempo e recursos são limitados. Não podemos ter tudo. As escolhas serão sempre necessárias, e a priorização será chave dependendo do estágio de vida de cada um. A questão é como estar ciente das consequências das escolhas que estão sendo feitas em nossa "alocação do portfólio de felicidade". Devemos escolher um "estilo de vida" que seja consistente com a vida que queremos no futuro, maximizando não nosso prazer de curto prazo, mas nossa satisfação de vida a longo prazo. Ninguém deve esperar ter amigos solidários na velhice se eles estiverem ausentes quando esses amigos mais precisaram deles. Ninguém deve esperar ficar doente para começar a ter alguma fé.


Você sabe o que será importante para sua vida nos próximos 20 ou 30 anos? Como está o planejamento do seu portfólio de felicidade? Você está investindo consciente e sabiamente para ter uma boa vida hoje, mas também amanhã?


Mais sobre alocação de portfólio de felicidade na próxima semana. Se você acha que isso pode ser útil para alguém que você ama, compartilhe.


Vida feliz,


Pedro

Комментарии


bottom of page